Cuide de você e saberá entender o outro

Por Carla Simone

Hoje, lendo algumas coisas, venho percebendo que o prejulgamento é um dos nossos grandes males.
Prejulgamos quem está feliz, quem está triste, quem dá conselho, quem não aceita o conselho, o carro do vizinho, a bicicleta….e, assim, vamos nos tornando cada vez mais inquisidores e menos aprendizes.
Já disse algumas vezes que sempre que estou aconselhando alguém é por conhecimento de causa. Pode não parecer, mas já chorei muito, já me vi perdida, sem saída, frustrada, revoltada, nervosa, agressiva! Na rua, para os outros, parecia que estava tudo bem. Eu não externava nada disso. Mas, em casa, com as minhas expectativas frustradas em relação aos meus filhos, eu era uma coisa horrível. Chorava, gritava, colocava de “castigo”. Eu era uma verdadeira torturadora mental dos meus anjos.
Então, quando falo, gravo vídeos, não duvidem: sim, eu já vivi!!
E transformar a vida pra melhor não é fácil. Porque é complicado sair da zona de conforto, mesmo que este lugar seja o caos, a dor, o desespero. Porque mudança dói!! Nos joga para o desconhecido.
Quando aprendi que sou educadora dos meus filhos e não CASTIGADORA, que meu objetivo como mãe é formar um cidadão de bem, empático, amoroso, responsável, eu parei com o discurso de horas com eles. Fui cuidar de ser aquilo que tanto falava pra eles. Sempre uso eu e meu marido como exemplo quando eles falam ou fazem algo me desaponta. Pergunto: vc me Imagina falando ou fazendo tal coisa? Jogo a bola pra eles.
Na escola, mesmo quando vivia desesperada, minha atitude era de ponderar, colher informações e levar, tb.
Vamos fazer aquilo que falo toda hora? Autoanálise!! Respiração! Oxigenação do cérebro!! Relaxamento para abrir a visão e olhar a situação como deve ser vista! Fácil? Não!! Mas, é devagar que se chega lá. E se não dermos os primeiros passos vamos continuar no mesmo muro de lamentações!
Então, Carpe Diem!!!!

OS OUTROS SÃO OS OUTROS

Por Daniel Carvalho

 

received_10213376156422963

Todo ano gosto de marcar a data de hoje: o dia internacional do Rock N’Roll. Talvez a música que mais me defina. Aquela que ajudou a moldar a minha estética de uma maneira geral. Pra mim é libertação, catarse, liberação, fluidez, espiritualidade, conexão (intra e extra). Rock é a raiva que você subverte em música. Geralmente posto um vídeo bacana de uma banda, ou uma imagem engraçada. Mas hoje não.

Hoje eu tenho outra coisa pra falar: é que este ano descobri a segunda marcação desta data. Hoje também é o Dia Mundial do TDA(H).

Continuar lendo

A CULTURA DA PALMADA

Redação: Carla Simone

Por incrível que possa parecer, em pleno século 21, a agressão física contra criança ainda é banalizada nos lares brasileiros.

“Dados do relatório Violência letal contra crianças e adolescentes do Brasil mostram que a agressão física é o tipo mais frequente de violência que leva ao atendimento de meninos e meninas com menos de 1 a 17 anos nos serviços de saúde pública. O estudo, elaborado pela Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), fez o levantamento com base nos registros do Sistema de Informação de Agravos e Notificação (Sinan), do Ministério da Saúde, que captou ao menos 97.976 atendimentos por motivos de violência em todo o país em 2014. A negligência/abandono e o abuso sexual são os outros tipos mais recorrentes de ocorrências. A maior parte das violações é cometida em casa, pelos pais.” Fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/2016/07/01

Continuar lendo

Parabéns a você também!

Por Elika Takimoto

Eu queria parabenizar também os alunos que não estão nesse quadro pendurado no meio do pátio da escola. Certamente, são pessoas bacanas, esforçadas, cheias de potencial, empáticas, amigas e criativas. O que não quer dizer que esses que aí estão não sejam serumaninhos legais, mas não estão aí por isso.
O conceito “A” dos alunos que estão nesse “quadro de honra” quer dizer que eles se adaptaram bem a um sistema de ensino que prima pela competitividade e exclusão dos que dele fazem parte e dos que não conseguem a ele se moldar. Vale observar, qparabénsue se Einstein vivo fosse e estudasse nessa escola não somente não estaria com seu rosto estampado nesse cartaz como poderia ter sido expulso dado seu comportamento rebelde com esse modelo que não estimula os alunos a perguntar, a questionar e sim a responder e obedecer regras.
O conceito “A” desses alunos significa que eles entendem bem como resolver um determinado tipo de problema. Certamente, eles sabem aplicar a equação de Torricelli, fazer gráficos de equações logarítmicas e a diferença entre briófitas e pteridófitas. Mas absolutamente nada diz sobre a capacidade de lidar com o próximo e sobre a felicidade que eles terão no futuro e até mesmo se tem no presente. Por outro lado, nada garante que os que não estão no quadro também estejam se sentindo bem, sejam jovens soltos e felizes. Possivelmente, muitos até estão se sentindo burros e incapacitados por não terem conseguido obedecer regras de redação que se Guimarães Rosa e Mário de Andrade tivessem obedecido não teriam escrito o que escreveram e, portanto, não tiraram conceito ‘A’.
O conceito “A” significa que os alunos sabem fazer um determinado modelo de prova e se adaptaram bem a um sistema de ensino que me fez acreditar por mais de trinta anos que eu não sabia escrever. Nunca tirei nota dez em redação alguma feita na escola por sempre fugir do tema e escrever sobre o que me desse na telha.
O Colégio Pentágono merece parabéns porque tem cumprido bem o objetivo, a dizer, colocar alguns alunos com conceito “A” nas provas de seleção e aprovar um percentual nas universidades. Isso eu posso garantir porque meu filho estuda aqui desde o primeiro ano e se tem uma coisa que essa escola se preocupa desde o ensino fundamental é com vestibular. E que fique claro que eu não tenho nada a opor a uma política de seleção rigorosa. Se tivermos que encarar isso de frente, ok. Eu encaro. Apenas me recuso a chamar isso de “Educação” já que o meu conceito de Educação envolve um bem estar de uma maioria. E rigor, competição e disciplina que são tão valorizados nesse sistema de “Ensino” nunca geraram tantas crianças e jovens frustados, infelizes, doentes, egoístas e que pouco ou nada sabem sobre empatia. No mais, esses alunos que estão nas fotos em destaque serão os melhores independente­mente do método de ensino?
Mas enfim, a escola e esses alunos, dentro desse método e com esse objetivo esclarecido, estão de parabéns sim.
Não pude, porém, ao ver esse quadro pendurado na sombra assim que trouxe meu filho à escola hoje, deixar de pensar nos alunos que não estão nesse cartaz. Certamente, são pessoas extremamente iluminadas…
Portanto, parabéns aos que não estão com o rosto impresso. Entendam bem o que significa estar no quadro. Esse conceito “A” nada tem a ver com capacidade intelectual, ainda que os que estão no quadro sejam capacitados a pensar em outras áreas e ambientes.
Não desistam dos seus sonhos e jamais deixem de acreditar no potencial de vocês, ok?”

“O pior que pode acontecer a um gênio é ser compreendido.” (Leo Longanesi)

Redação: Carla Simone

Existe um “versículo” – acho – que diz: Não julgueis para não serdes julgados.
Mas, eu vim parar em Conceição do Mato Dentro, cidade cheia de igrejas e templos. E, assim, como fui muito acolhida,também tenho sofrido com o julgamento que fazem do meu filho. A escola tem sido um martírio!
É tão dolorido! Tão triste! Isto vai abrindo uma ferida que arde e dói muito.
Ser diferente, estar fora dos padrões impostos pela sociedade, causa desconforto em quem se acredita igual e imune a qualquer tipo de julgamento.
Eu confesso que demorei muito a aceitar, entender, respeitar e amar meu filho como ele é. Com certeza, é um aprendizado amar.
Passamos um vida inteira sendo filhos e vamos aprendendo a ser pais. E quando nossas crias fogem do que foi idealizado, o amor vai sendo construído conforme vamos entendendo quem chegou para preencher nossos dias de desafios e ensinamentos.
Não posso colocá-lo de volta em meu ventre. Mas, posso ajudá-lo a enfrentar o mundo. E ele será aquilo que quiser ser.

FB_IMG_1437514975671

“Um gênio criativo não pode ser treinado. Não existem escolas para criatividade. Um gênio é precisamente um homem que desafia todas as escolas e regras, que se desvia dos caminhos tradicionais da rotina e abre novos caminhos através de terras inacessíveis antes. Um gênio é sempre um professor, nunca um aluno; ele é sempre feito por si mesmo.” (Ludwig von Mises)

“Somente o gênio tem a coragem de não tentar ser agradável a toda a gente.” (Emanuel Wertheimer).

“O gênio e o louco num ponto se assemelham: ambos vivem em um mundo diferente daquele em que vivem os outros mortais.” (Arthur Schopenhauer)

“O destino do gênio é ser um incompreendido, mas nem todos os incompreendidos são gênios.” (Ralph Waldo Emerson)

“Qualquer tolo inteligente consegue fazer coisas maiores e mais complexas. É necessário um toque de gênio – e muita coragem para ir na direção oposta.” (Albert Einstein)

“Os talentos atingem metas que ninguém mais pode atingir; os gênios atingem metas que ninguém jamais consegue ver.”
(Artur Schopenhauer)

“Assim, como Narciso acha feio o que não é espelho, as pessoas comuns não compreendem o que não está ao alcance de sua mente! ” (Ieda)

Lei que reconheçe o TDAH

“Olá, pessoal! Tudo bem com vocês?

tdah abaixo assinadoGostaria de pedir o SEU APOIO nesta campanha iniciada pela Virgu Pedreira que criou um abaixo assinado para PRESSIONAR o Congresso Nacional a dar prioridade ao andamento do Projeto de Lei 7081/2010 (o qual pode ser conferido aqui (http://goo.gl/tNnwdR), que atualmente está PARADO aguardando a manifestação de algum deputado que realize a tramitação necessária para que o projeto siga para votação. O que pode resultar na PRIMEIRA LEI ESPECÍFICA PARA O TDAH!

Eu, assim como muitos, também passei maus bocados na escola, fui agredido em sala de aula pela professora aos 6 anos de idade e desde o início da infância me sentia culpado por ser quem eu era! Me sentia inferior aos meus colegas da escola, o que impactou na formação da minha autoimagem durante muitos e muitos anos.

Já imaginou o que passa na cabeça de milhares de crianças que são diariamente podadas, enquadradas, por vezes agredidas física e mentalmente, “convidadas a se retirar” das escolas apenas por serem elas mesmas? Não podemos permitir que se perpetue a ignorância, a desinformação e a falta de uma lei que nos proteja e garanta diretrizes para estas crianças!

Uma lei que exponha o tema com seriedade, que treine os professores sobre as características do transtorno e as melhores práticas, bem como exigir das escolas a adoção dos procedimentos adaptativos em cada caso. Afinal, todos merecemos respeito e as pessoas com TDAH não podem mais esperar!

Ainda é o começo, creio que muitas leis e garantias podem ser levadas à discussão, inclusive para nós adultos com TDAH, mas a aprovação deste Projeto de Lei pode ser a porta de entrada para o reconhecimento do Transtorno pela sociedade, e caminho para os próximos avanços!

Vamos ajudar? Então assine no link abaixo e compartilhe este vídeo! Vamos pressionar! Somente nós podemos lutar pelos nossos direitos.” Yuri Maia

>>> AQUI ESTÁ O ABAIXO ASSINADO: https://goo.gl/D6K6pW

Transtorno Opositor Desafiador? Hiperatividade? Ódio? O que será?

 

Redação: Carla Simone

Ter um diagnóstico preciso é sempre muito complicado. Exige busca por bons profissionais, acesso a eles – principalmente -, olhar atento, muita paciência e determinação.

Os pais passam boa parte do tempo culpando-se e tentando entenderem onde erraram, em que momento descuidaram-se,afinal, aquela criança idealizada, não é a que habita os seus lares.

Aí é que entra o novo olhar, a aceitação, o entendimento. o se desvencilhar da falta que acredita ter cometido e, principalmente, o aprendizado de amá-las como são. E isto vai se dando dia a dia,  buscando conhecer o mundo delas, seus anseios e planos, e se desvencilhando dos próprios planos relacionados às suas crias e passando a entender os deles.

É um exercício difícil, por vezes, mas é garantido que vale a pena. Porque nascemos filhos e é ao longo da caminhada que vamos aprendendo a sermos pais e, com isso, vamos nos tornando pessoas bem melhores.

Neste vídeo de Leandro Karnal, professor e filósofo, ele fala sobre a personalidade infantil e o tamanho da responsabilidade dos pais. Assista!